A dinâmica dos Rios Voadores


Quanto mais árvores, mais água

.
Quanto vale uma árvore?
Cada árvore pode produzir diariamente em média dependendo do tamanho, entre 300 a 500 litros de água. Uma árvore grande pode bombear do solo e transpirar mais de 1.000 litros de água num único dia. As raízes chegam até 20 ou 30 metros de profundidade sugando a água da terra. Os troncos funcionam como tubos. Quando transpiram, as árvores então liberam esse líquido convertido em vapor, fechando o ciclo que novamente alimentará a corrente no céu - a evaporação das florestas são transformadas em chuvas.

Um carvalho de grande porte pode transpirar 150 mil litros de água para a atmosfera a cada ano. Fonte: United States Geological Survey (USGS) (em português, "Pesquisa Geológica dos Estados Unidos").

Sem floresta não haverá água

.
Caso a fronteira agrícola do país continue se expandindo, as consequências poderão ser extremamente severas, inclusive, para a própria agricultura, que não contará mais com o mesmo regime de chuvas para o abastecimento da produção.
Floresta intacta no Estado do Amapá, o estado mais florestado do Brasil possuindo 96% do seu território coberto por vegetação nativa. Fotos: (©Greenpeace/Rogério Reis/Tyba)

Fenômeno dos Rios Voadores


 
CAÇADORES DE NUVENS 
 Pesquisadores “surfam” as correntezas aéreas para estudar o fenômeno

Desde 2008, um projeto científico tenta conhecer melhor os rios voadores. O líder da pesquisa é Gerard Moss, engenheiro e explorador francês naturalizado brasileiro. O trabalho dele consiste em voar com um monomotor coletando vapor d’água. “Enquanto todos os pilotos evitam as nuvens, eu vou direto para elas”, diz. Em seu avião, Moss caça a umidade usando tubos de 40 centímetros resfriados a 70 graus negativos. Numa temperatura tão baixa, qualquer vapor que entra no tubo se transforma, imediatamente, em água. As gotas são então armazenadas para a análise em laboratório.

.
Rios Voadores ou Rios Aéreos são “cursos de água atmosféricos”, formados por massas de ar carregadas de vapor de água, muitas vezes acompanhados por nuvens, e são propelidos pelos ventos. Essas correntes de ar invisíveis passam em cima das nossas cabeças carregando umidade da Bacia Amazônica para o Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil.

O processo para formar um rio voador começa na água que evapora do oceano Atlântico e gera nuvens que vão para a floresta Amazônica. Quando chove na floresta, só uma pequena parte da água vai para os rios. O resto é absorvido pelo solo ou pelas árvores. Parte da água que não foi para os rios evapora (do solo ou pela transpiração das plantas) e forma novas nuvens cheias de vapor.
Nuvens da evaporação do mar levadas pelo vento a caminho da Amazônia - foto:Elma Carneiro
Nuvens da evaporação do mar  são transportadas pelo vento para formar chuvas na floresta Amazônica - Foto aérea do mar em Fortaleza de Elma Carneiro.

 Transpiração das árvores da Amazônia

.

Floresta em evaporação
Transpiração da floresta Amazônica
A floresta evapora e esse vapor se  transforma em nuvens
Da transpiração  são formadas as nuvens
As árvores da floresta Amazônica “bombeiam” as águas das chuvas de volta para a atmosfera, através de um fenômeno denominado evapotranspiração, ou seja, a água das chuvas que fica retida nas copas das árvores evapora e permanece na atmosfera em forma de umidade. É exatamente essa umidade que forma os rios voadores.
Como é praticamente impossível se distinguir o vapor d´água proveniente da evaporação da água no solo e da transpiração das plantas, a evapotranspiração é definida como sendo o processo simultâneo de transferência de água para a atmosfera por evaporação da água do solo e da vegetação úmida e por transpiração das plantas.

Pense nisso

.
Com a “evapotranspiração” das árvores da floresta, chegam a se formar enormes rios de vapor de água que não podem ser vistos a olho nu.
O que se observa, nesse processo, é a importância da preservação da floresta Amazônica. Caso a fronteira agrícola do país continue se expandindo, as consequências poderão ser extremamente severas, inclusive, para a própria agricultura, que não contará mais com o mesmo regime de chuvas para o abastecimento da produção.

Rio Voador
A quantidade de vapor d’água transportada por esses rios voadores pode chegar a volumes maiores que a vazão de todos os rios do centro-oeste e ser da mesma ordem de grandeza da vazão do rio Amazonas (200.000 m3/s). O Projeto Rios Voadores vai colocar uma lupa nestes processos, voando junto com os ventos, amostrando o vapor, coletando a chuva em busca das explicações e números. A resposta está na Amazônia.
Volume de água que circula pelo céu é similar à vazão do rio Amazonas.

Rio Voador - Foto Margi Moss/Projeto Rios Voadores



.

  O desmatamento resulta na  perda de áreas úmidas

.
.
.
Eu gostaria que mais pessoas 
se preocupassem com a terra,
tanto quanto  se importam com 
quem eles acreditam que a criou.

.
.

Um comentário:

  1. Olá, gostaria de usar essas fotos em um trabalho. Você pode me passar as fontes? Obrigada!

    ResponderExcluir

Obrigada por sua presença no Caliandra do Cerrado.
Espero que esse espaço tenha sido útil para você. Os artigos apresentados são frutos de pesquisas e informações colhidas na web, artigos acadêmicos, livros que após um estudo coerente entre as informações que mais se igualam sobre os temas, são selecionados para as postagens.
.

Fique a vontade e se puder deixe seu comentário. Um abraço

Elma