Cachorro-vinagre ou cachorro-do-mato

.

O Cachorro-vinagre também vive no Cerrado

OCachorro-vinagre (Speothos venaticus), também conhecido como cachorro-do-mato-vinagre ou cachorro-do-mato foi descrita pela primeira vez em 1842, a partir de fósseis encontrados em cavernas no Brasil e só depois se descobriram os animais vivos e hoje está na categoria vulnerável do Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção.

É o único canídeo sul-americano com formação de matilhas; apresenta dieta carnívora e hábito semi-aquático. É naturalmente raro e é ameaçado pela perda de habitat.
.
Seu corpo é troncudo, a cabeça é larga, as orelhas e focinho curtos, a cauda é espessa e é coberto por uma pelagem vermelho-escura. A pelagem assume uma coloração mais escura (marrom escuro ou preto) em direção a cauda e faixas claras são encontradas na parte inferior.
Eles são os menores cães silvestres do Brasil e, embora sejam canídeos, possuem o menor número de dentes da família canidae, apenas 38. Apresenta hábitos preferencialmente diurnos recolhendo-se a tocas, tocos de árvores ou buracos que eles mesmos escavam.
Alimentam-se de crustáceos, pequenos vertebrados, pacas e cotias mas podem caçar presas maiores, como capivaras ou emas, graças ao padrão de caça cooperativa.
Comprido e baixinho – tem entre 60 e 80 centímetros de comprimento e 25 a 30 centímetros de altura –, o cachorro-vinagre pesa de cinco a oito quilos. Possuem unhas fortes que usam para escavar buracos, assim abrem túneis no chão que usam para se abrigar. É um animal semiaquático, seus dedos estão ligados por membranas interdigitais que o permitem nadar e mergulhar com facilidade.
.

O Cachorro-vinagre é classificado como vulnerável pelo Ibama como quase ameaçado. Ocorre principalmente em matas-galeria e florestas ripárias, mas também pode ser encontrado no Cerrado e em outros ambientes abertos.
Estima-se que haja 15 000 indivíduos adultos dessa espécie, com um declínio esperado de aproximadamente 10% entre 2008 e 2018, devido principalmente à perda de habitat (IUCN 2008)

Ameaçados de extinção desde 2003 é encontrado atualmente na Amazônia e Pantanal e Cerrado.
O período reprodutivo da espécie não parece apresentar sazonalidade, sendo a gestação de 67 dias, após a qual nascem em média 3,8 filhotes.
As fêmeas entram no cio duas vezes ao ano mas o acasalamento pode não ser periódico, dependendo da situação social. O cio dura em média 4 dias.
Os filhotes nascem em cavernas cavadas pelos próprios pais ou por tatus. Ao nascer, os filhotes pesam de 130 a 190 g e sua pelagem apresenta uma coloração preto-acinzentada. Os machos ajudam na criação dos filhotes levando comida até a caverna.

 Filhotes de Cachorro - vinagre - Reprodução em cativeiro tenta salvar animal ameaçado de extinção. 

Descoberta recente de uma matilha de  Cachorro-Vinagre no Estado de Goiás


No vídeo, um encontro raro com quatro indivíduos em pleno Cerrado goiano nesta segunda-feira 26/10/2015 no Parque Nacional das Emas - GO unidade de 132 mil hectares localizada bem na divisa entre Goiás e Mato Grosso do Sul, registrado pelo biólogo Marcus Buononato.

Obrigada Marcus Buononato.

É uma espécie altamente social, até mesmo com caçada grupal, com um rico repertório de vocalizações, vivendo em grupos familiares de até 10 indivíduos.
A estrutura social dos grupos é fortemente hierarquizada, tal como nos lobos-cinzentos e os membros do grupo comunicam entre si através de latidos, o grupo é formado por vários casais monogâmicos e pelas crias do casal dominante.
Estimativas preliminares de radiotelemetria sugerem que a área de vida de uma matilha seja de pelo menos 100 km².

O cachorro-vinagre nunca foi caçado por interesse econômico e é sabido que algumas tribos de nativos brasileiros conservam-nos como animais de estimação.

Demarcação de território


Uma característica curiosa é que, para demarcar o território, a fêmea do cachorro-vinagre faz um verdadeiro malabarismo: se apoia nas patas dianteiras e ergue a parte traseira do corpo, para urinar em pedras, pequenos arbustos ou troncos de árvores. Já o macho levanta uma das patas traseiras para trás e ejeta um spray de urina.

 Imagens Google

. 

7 comentários:

  1. Elma que lindo post e interessante saber sobre eles ,seus hábitos e tudo mais! Bom te ver! bjs, linda semana,chica

    ResponderExcluir
  2. São estes tipos de informações que nos enche de alegria e esperança ... Isso é luz *parabéns **

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. moreno alto

      Os amantes do Cerrado ficaram em júbilo ao descobrir que o cachorro-vinagre tem aparecido em várias localidades.
      Eles já foram mais raros e considerados quase extintos, mas, penso que a conscientização do homem tem feito com que sua preservação seja respeitada.

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Boa noite.
    Fico muito feliz em ler esta matéria. No entanto, é triste ver como o homem devastou o cerrado e sua biodiversidade.
    Meu pai nasceu e foi criado no município de Nova Roma-GO, assim como seus irmãos. Meu pai diz que era extremamente comum achar cachorros-do-mato por lá, assim como outros animais, que não mais vemos.

    ResponderExcluir
  5. Muito legal essa postagem sobre a essência de natureza

    ResponderExcluir
  6. só falta saber diferenciar o "vinagre" do "do mato", tem diferenças, da uma pesquisada. abço aluno de veterinaria

    ResponderExcluir

Obrigada por sua presença no Caliandra do Cerrado.
Espero que esse espaço tenha sido útil para você. Os artigos apresentados são frutos de pesquisas e informações colhidas na web, artigos acadêmicos, livros que após um estudo coerente entre as informações que mais se igualam sobre os temas, são selecionados para as postagens.
.

Fique a vontade e se puder deixe seu comentário. Um abraço

Elma