Dentro do Bosque dos Buritis de Goiânia

.
.

Bosque dos buritis

.

"Você pensa que em algum lugar podemos não ser Natureza, que somos diferentes da Natureza? Não, nós estamos na natureza e pensamos exatamente como ela." Carl G. Jung .


No interior do bosque avisto flores brancas nativas. Esse local é composto por buritis e árvores frondosas, o clima é fresco e úmido. Pássaros em profusão, insetos, pequenos répteis, macacos que passam de um galho ao outro fazendo ruídos com seus movimentos rápidos entre as folhas que me chamam a atenção, porém, mal consigo vê-los ou distinguir suas feições. Nascentes, pequenos igarapés, o burburinho das águas quando em sua mansa correnteza. Mais além, um caminho feito por formigas que vão enfileiradas, cada uma levando uma folha. Um batalhão em marcha.
.
Bosque dos Buritís-Goiânia_Centro Oeste do Brasil
Aqui dentro, o perfume das flores, sinto o cheiro de mel, da terra encharcada e fértil. Observo as gramíneas, o capim crescido, como também, as folhas secas espalhadas. Por vezes, passa rapidamente um lagarto amedrontado e desaparece por baixo dos gravetos do chão que o camufla disfarçando sua aparência. Abelhas sobrevoam minha cabeça. Há uma vida intensa dentro dessa pequena mata preservada. Imagino a quantidade de ninhos de passarinhos que devem estar entranhados entre os galhos dessas árvores altas e o piar de seus filhotes.
.
Bosque dos Buritís-Goiânia_Centro Oeste do Brasil_num fim de tarde o sol entre frestas
Há um silêncio, nele não sinto estranheza porque a natureza é própria de nós e em seu meio estou em plena harmonia, ela é mãe, eu, mais uma espécie. Lá fora a uns 300 m a cidade ferve no seu dia a dia, os carros passam velozmente entre os outros, mas, os ruídos não chegam a alcançar o interior desse templo. O sol teima em penetrar por entre as frestas das árvores e observo convicta de que nada é em vão.
E, eu estava ali numa tarde de domingo de maio desse ano.

Uma outra variedade de coqueiro aponta suas grandes folhas para o alto, onde dali antevejo o céu azul e o sol começa a desaparecer com seus raios dourados. Começa ali e agora um maravilhoso por-do-sol que se forma para meus olhos e nada me resta senão observar. Os pássaros parecem multiplicar-se por seus cantos despedindo-se do dia. Encontro-me ali nesse centro congregada, e minha vida respira pelos pulmões esse ar com cheiro de verde.
Faço parte dessa paisagem e a certeza mais lógica que tenho é que quando eu for, ela naturalmente e sempre silenciosa em seu curso, se encorporará com minha desintegração física. ElmaCarneiro

"Eu também quero a volta à natureza. Mas essa volta não significa ir para trás, e sim para a frente."
[Friedrich Nietzsche]


Fotos: Elma Carneiro

Você poderá ver no mesmo espaço as mensagens de paz existentes dentro do bosque clicando na imagem abaixo.
.
.


.

4 comentários:

  1. Ai, que delícia de caminhada. Fiquei aqui imaginando os perfumes, as cores de tudo que você descreve, sentindo-me também parte de toda essa beleza.

    bjs

    ResponderExcluir
  2. Fui acompanhando a sua visão e sentindo os cheiros, vendo as cores, ouvindo os ruídos. Lindas fotos e lindo texto.
    beijos

    ResponderExcluir
  3. Elma, concordo com suas leitoras aí de cima. Sua descrição nos deixa com vontade de ver e sentir cada pedacinho desse passeio... E as fotos? maravilhosas e bem reais!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Maravilhoso, parabéns.

    ResponderExcluir

Obrigada por sua presença no Caliandra do Cerrado.
Espero que esse espaço tenha sido útil para você. Os artigos apresentados são frutos de pesquisas e informações colhidas na web, artigos acadêmicos, livros que após um estudo coerente entre as informações que mais se igualam sobre os temas, são selecionados para as postagens.
.

Fique a vontade e se puder deixe seu comentário. Um abraço

Elma