Tamanduá bandeira - em extinção


O tamanduá-bandeira, urso-formigueiro-gigante ou papa-formigas-gigante (Myrmecophaga tridactyla) é um mamífero xenartro da família dos mirmecofagídeos. Os tamanduás, juntamente com os tatus e os preguiças pertencem à Ordem Xenarthra que significa "articulação diferente". encontrado nas Américas Central e do Sul. Os tamanduás são os únicos mamíferos que não possuem dentes, enquanto que seus “parentes” tatus e preguiças possuem dentes incompletos, sem a presença de esmalte.
Ele é quadrúpede assim como a vaca, o cavalo ou o cachorro. Mas nenhum bicho desse mundo pode ser confundido com um tamanduá: o bico fino e comprido, o corpo peludo e magro e o rabo que parece um espanador de pó fazem do tamanduá um bicho muito diferente.

Perigo de extinção

No Brasil o tamanduá bandeira encontra-se em perigo de extinção, cujas fêmeas têm um único filhote por ano, muito pequeno e frágil, que é carregado nas costas da mãe até cerca de um ano de idade, tornando-se assim muito vulnerável aos predadores, além de que a fêmea não tem um instinto materno muito apurado e algumas vezes abandona sua cria logo nos primeiros dias de vida. Outro grande problema que pode afetá-los é a destruição do seu habitat.

 Tamanduá bandeira - ameaçado de extinção
Um tamanduá-bandeira adulto pode atingir 60 kg de peso e um comprimento até 120 cm, mais 90 cm para a cauda
Pelagem cinza com uma diagonal preta bordejada de branco, estendendo-se até o peito, sobre os ombros em direção às costas
É encontrado nos campos e Cerrados e em boa quantidade no Centro Oeste.
Desdentado, bicudo, disforme, sua marcha é vagarosa, dificultada pelas garras que são voltadas para dentro, evitando o desgaste das unhas no contato com o solo, pois é com elas que escava os formigueiros e rompe os duríssimos cupinzeiros.
O tamanduá tem um olfato 40 vezes melhor que o do homem. Comprido e afilado, e seu órgão de defesa mais importante, a tal ponto que, quando vai dormir, esconde a ponta do focinho embaixo da sua grande cauda. Este focinho também e responsável por sua alimentação. Como só come insetos pequenos, que engole sem mastigar.

Pasto com cupinzeiros do Cerrado goiano
Cupinzeiro do Cerrado goiano.

O cupinzeiro é um aglomerado de terra e outros resíduos, edificado pelos cupins constituindo o seu ninho.

Cupins do cupinzeiro
Pacífico, alimenta-se de formigas e cupins que se escondem nos enormes cupinzeiros do cerrado. Vive no chão, mas sobe bem nas árvores e é capaz de nadar. Por ser míope, de pouca audição e sem defesa, não é dos maiores corredores do mundo animal, e por isso é um alvo fácil para os caçadores. Solitário, fica dormindo a maior parte do dia em lugares escondidos e cobertos com a própria cauda.
Possui focinho longo e fino sua língua que mede (aproximadamente 60 cm). Funciona como um aspirador de insetos. Destrói os formigueiros e cupinzeiros com as garras dianteiras e comem aproximadamente 35.000 unidades por dia, normalmente formigas, cupins, larvas, besouros.

Abraço de tamanduá


Para aprisionar os insetos, o tamanduá usa a língua fina, comprida e gosmenta. As garras também são utilizadas para se defender dos predadores, situação na qual o tamanduá-bandeira abraça seu predador para cravar-lhe as longas garras. É daí que surge a expressão popular “abraço de tamanduá”.


O tamanduá-bandeira não é um bicho agressivo, mas sabe defender-se muito bem. Quando atacado, ergue-se sobre as patas traseiras e maneja suas afiadas garras da pata dianteira. Quando o inimigo é maior e mais feroz, como a onça, o tamanduá apara o bote no peito e fecha o atacante num abraço, crava-lhe as unhas nas costas e não larga mais. O resultado é um empate - ou morrem os dois,ou ambos se afastam feridos.
.

.

Filhote do tamanduá bandeira

.

Possui hábitos de atuação crepusculares e solitários.
Possui hábitos de atuação crepusculares e solitários. Os casais encontram-se somente na época do período reprodutivo, como no caso da onça, ou então durante a amamentação, no caso das fêmeas. Após uma gestação de 190 dias, nasce apenas um filhote com cerca de 1,3kg.
.
Nasce com 1,20 kg, com olhos abertos e passam aproximadamente 1 ano agarradinhos no dorso da mãe, onde encontram calor, proteção e alimentação. Sua gestação dura 190 dias e gera apenas um filhote por ano, que nasce no início da primavera. Vive de 15 a 25 anos.

Infelizmente o tamanduá-bandeira é mais um animal ameaçado de extinção devido ao fato do homem estar destruindo seu habitat. Os fatores que têm contribuído para isso são: a caça indiscriminada, as queimadas (e seu pêlo é extremamente inflamável) e o avanço da agropecuária no Cerrado (ecossistema que, por ser bem aberto, não possui lugares onde o tamanduá-bandeira possa se esconder).


José Luiz, Cristian Dimitrius, Onofro Martins Alves, Elma Carneiro, Ricardo N. Teixeira Mendes, Eiji Matsumoto - Outras: web

.

Veja como é a vida do Gambá - um animal atípico, marsupial - que tem um cheiro insuportável e que se finge de morto até ao extremo para se livrar dos predadores.


Clique na imagem e chegue até ele e sua numerosa família
.
.


.

15 comentários:

  1. Eu vi um tamanduá desse lá na Serra da Canastra. Lindo. Essa imagem que passa diante dos olhos e, de repente, some. Que pena, de repente, essa beleza extinguir-se.
    ... caminhava tão leve, como se pisasse no ar, despreocupado, e, ao mesmo tempo, ligeiro, como se soubesse que o homem não é confiável.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Você nos trouxe importantes informações sobre o tamanduá, aprendi muita coisa lendo teu post
    Pois é, mais uma espécie em extinção, é uma pena pois ele é importante para o equilíbrio do ecossistema. O Pantanal está sendo depredado sem nenhum escrúpulo, os movimentos ecologistas deveriam se interessar mais por ele.
    Excelente post, como sempre!
    Beijos e um excelente domingo para você.

    ResponderExcluir
  3. Elma,
    Como alguém tem coragem de fazer maldade com um animal tão indefeso assim?
    Eles são até úteis ao homem pois destroem os cupinzeiros e os formigueiros!
    Muita maldade mesmo!

    Você vai abrigar o Ecologycal Day em junho?

    Se for deixe um recado em qualquer de meus dois blogs, por favor!
    http://vidaslinha.blogspot.com
    http://ideiasdemilene.blogspot.com

    bjs e um bom domingo!!!

    ResponderExcluir
  4. Olá Elma.

    Essa situação se repete em praticamente todos os ecossistemas. Mesmo aqueles que aparentemente estão vistosos, com no caso das grandes florestas da minha cidade do Rio de Janeiro, estão ameaçados, ou por invasões do homem, ou por animais e plantas de outros lugares. Aqui no Rio há a praga dos sagüis, que vieram do sul da Bahia e estão acabando com os primatas nativos, como micos leões, além de outros animais, como esquilos, algumas aves...Seu predador natural, a onça, praticamente sumiu daqui.

    Ótimo post, com fotos sensacionais.

    ResponderExcluir
  5. Olá Elma, o trabalho que mostras neste espaço é de uma importância
    fundamental, porque, além da beleza plástica, tem,principalmente,uma riqueza de
    detalhes, de informações preciosas,
    que ainda não ví na imprensa escrita,na grande mídia e nem mesmo na internete de um modo geral.Lamentavelmente, porque a região centro-oeste, a mata atlântica, a caatinga estão sendo devastadas a passos largos e de maneira talvez, irreversível!
    O pantanal matogrossense vem passando por períodos de secas terríveis. A região sul e sudeste,
    consideradas as mais "desenvolvidas", abrigam os maiores pedradores do país, principalmente Minas Gerais e Santa Catarina, vindo em seguida São Paulo e Rio de Janeiro.
    Considero o teu trabalho da maior importância. E a Natureza agradece,tenho certeza. E nós blogueiros, TAMBÉM !
    Não é por acaso que está acontecendo tanto desequilíbrio, no mundo inteiro, porque a NATUREZA CONTINUARÁ, já o homem...?
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Que ótimo post, Elma! Adorei!

    Sabe que há alguns anos eu estava numa estradinha aqui perto de casa, indo para a cidadezinha próxima, quando vi uma "coisa" deitada na estrada. Acho que devia estar se esquentando no asfalto... Fomos chegando perto e vi que era um tamanduá bandeira, bem grande! Fiquei maravilhada, desci do carro (pena que não estava com a máquina) e ele calmamente se levantou, passou por baixo da cerca de arame da estrada e foi andando pelo pasto, com seu rabo imenso balançando!
    Inesquecível!
    Bjs.

    ResponderExcluir
  7. Elma,
    É verdade, os tamanduás são muitas vezes atropelados. Meu filho já viu vários deles atropelados, tanto na Rodovia Raposo Tavares, quanto nas estradas vicinais. É muito triste...
    Bjs.

    ResponderExcluir
  8. Eu fiquei emocionada quando vi um desse. A emoção foi tanta que quando consegui tirar a foto ele já estava quase escondido entre os arbustos.
    As fotos estão belíssimas e as explicações são muito importantes.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Elma,

    onde anda o local de inscrição do Ecological Day?

    Este seu blog cada dia melhor! Parabéns!

    ResponderExcluir
  10. Elma, resolvi continuar com o Ecological Day, mas sem blogagem coletiva, segundo idéia lançada pela Maria Augusta e pela Ví. Tendo tempo, dê uma olhada no Leituras & Imagens.

    Agradeço muito pelo tempo que você hospedou neste seu MARAVILHOSO CALIANDRA DO CERRADO o Ecological Day.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  11. Elma, linda a sua postagemm, realmente o homem não sabe o que é bom para ele, ou não quer saber...você está fazendo a sua parte de mostrar a quem quiser ver. Essa foto do perfil do tamandoá mostra um semblante inocente, calmo, mesmo ao lado de suas grande unhas, me impressionei também com a foto dela deitada com o filhote nas costas, é perceptível o seu prazer em cuidar de sua cria.
    Parabéns, por colocar na web assuntos tão essenciais ao ecosistema.
    Bjos

    ResponderExcluir
  12. Ontem vi um tamanduá bandeira na margem do Rio Barreiro, nos arredores do município de Guzolândia/SP. Lindo. O surpreendente é que ele estava próximo de árvores em uma propriedade com casa e sistema de irrigação na plantação. Acredito que há pessoas que respeitam ainda algumas espécies que estão desaparecendo, e que estes animais acabam se adaptando tb, para sobreviver. Que bom seria se todos tratassem nossos animais nativos como objeto de orgulho por ainda viverem, e não como troféu ou caça.

    ResponderExcluir
  13. eu espero que eu tenha sido utel para você posta mais sobre esse os animais extintos existi um monte posta aguns vejo vc mais tarde te adoro vemos mais tardes

    ResponderExcluir
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  15. Onde procura o bioma to tamanduá bandeira

    ResponderExcluir

Obrigada por sua presença no Caliandra do Cerrado.
Espero que esse espaço tenha sido útil para você. Os artigos apresentados são frutos de pesquisas e informações colhidas na web, artigos acadêmicos, livros que após um estudo coerente entre as informações que mais se igualam sobre os temas, são selecionados para as postagens.
.

Fique a vontade e se puder deixe seu comentário. Um abraço

Elma